sexta-feira, 3 de maio de 2019

COMPORTAMENTO NO TERREIRO


Olhar o médium não somente no desenvolvimento espiritual, mas em seu comportamento dentro do culto é um dever de cada zelador. Aplicando as normas da casa, observando as supostas falhas, corrigindo vícios que deflagam no futuro um médium cheio de manias e sem hierarquia alguma.

Tem médium que entra na corrente já se sacudindo todo, se der chance incorpora antes da Entidade dirigente dos Trabalhos, e não pode ouvir um ponto que é da "sua" Entidade, que já está dizendo que não consegue segurar e precisa dar passagem. 

Mas, o médium sério entende que sua Entidade está no Terreiro e nem sempre precisa estar incorporada para trabalhar, e portanto, havendo necessidade, pede licença para ajudar no que a casa precisa. Respeitar a hierarquia, a doutrina da casa é fundamental e gera respeito para com todos os presentes...

Lembro das palavras da Cabocla Herondina: "CANTAR, BATER PALMA, FIRMAR A CABEÇA, TUDO ISSO É PARTE DO TRABALHO!" Não adianta nada estar ali, cheio de capa, guias, com copo na mão, charuto na boca, mas quando chega a hora de cantar, não conhece um único ponto, ou simplesmente não canta.

PONTO DE UMBANDA É ORAÇÃO NÃO SE ESQUEÇAM DISSO.

Outra coisa, médium bom é aquele que respeita sua casa e sabe valorizar o chão onde pisa, e isso no sentido literal, ou seja, se precisar limpar o chão, lavar parede, tirar o lixo, atender a assistência, fazer comida de Santo, ajudar nas entregas, o que for, está ali, aprendendo com humildade. Médium que pensa que "trabalhar" na Umbanda é só estar incorporado, e ainda acha que está fazendo muito, esse não está nem no primeiro degrau dessa longa e vagarosa escada chamada evolução.

Portanto, caros irmãos que iniciam agora sua caminhada ou até mesmo os mais antigos, aprendam isso: a corrente é a firmeza da Casa. 

Se você perceber que precisa estar ali cantando e ajudando, não se encabule de conversar com sua Entidade. Se for mesmo necessário incorporar naquele momento, você saberá.

Eles nos ouvem, não existe essa coisa de "meu Guia tem que trabalhar" - mas quando decide faltar no Terreiro por conta de festa, viagem, etc, aí o Guia não precisa trabalhar? NENHUMA ENTIDADE DE UMBANDA É DÉSPOTA, nem vai transformar seu aparelho em escravo. Temos que tomar cuidado com nossa própria presunção em achar que se não incorporarmos, não trabalhamos.

Os Guias são nossos amigos, e como tal nos entendem através da conversa, da comunicação.

Portanto, ao chegar em seu Terreiro, bata a cabeça, cante, bata palmas, ajude no que você puder, e respeite os irmãos, respeite a hierarquia, respeite a doutrina da sua casa.

Todos juntos pela umbanda!
Mensagem dos bons espíritos!