sexta-feira, 10 de maio de 2019

Cabocla Herondina


1. Fundamentos e (His) Estórias

HERONDINA...???
ERONDINA...???
HERUNDINA...???

Princesa, mãe das matas e dos animais, cabocla ajuremada (aprendeu costumes indígenas) cujo destino que sempre esteve traçado, se divinizar como princesa para num reino espiritual ir morar, no qual a história conservou e sua lenda, todos agora podem abraçar e se debruçar em uma pesquisa vasta, feita com atenção e carinho pelos pesquisadores da ACALUZ – Associação Cultural Axé e Luz.

Faremos várias passagens em trechos que remetem sua “vida” no Tambor de Mina, na Jurema Sagrada, na Umbanda, nos próprios contos da Mina no Maranhão. Mostrando hábitos, costumes, oferendas, narrativas que nos fazem pensar e refletir sobre as entidades que recebemos.

Princesa, maravilhosa, linda, bela, magnífica, digna de adoração, se encantou como princesa como mágica do destino, como o sopro de Deus guiado pela mão da verdade, é princesa encantada, é maravilha da natureza, é divindade, princesa turca que Deus escolheu para encantar, aquela que o destino selecionou para com ele dançar e cuidar de seus filhos, escolhidos pela espiritualidade.

Ao dançar, faz tremer toda a mata, abraça e leva com ela todas as nossas cargas negativas sem jamais devolver. Que as divindades sejam invocadas, que os tambores comecem a soar, que os guias, orixás, caboclos, divindades, encantados e Voduns façam a roda para nela nós dois dançarmos e aí mesmo nos unificarmos. Se eu vou, você também vem, e se você vem, eu também vou, o sinal é você quem dá, pois o dia certo chegará. Herondina princesa encantada, assim como o teu destino eu também te convido para dançar. Venha se debruçar nesta leitura que nos fascina com seu encante.

RESUMO DE MUITOS FATOS ENCONTRADOS:
Herondina é uma divindade cultuada no tambor de mina, em terreiro de umbanda, ela é uma princesa turca que se ajuremou (passou a se vestir e seguir hábitos indígenas) aqui na Amazônia brasileira, quando veio com seu pai e suas duas irmãs, Mariana e Jarina, onde cada uma seguiu seu próprio destino.

QUEM É HERONDINA?
A vida de dona Herondina foi e será sempre encoberta de nuvens e relatos conflitantes. Para mim esta história continua a ser contada e vivida a cada momento nos terreiros, quando a força desta entidade se manifesta através dos inúmeros filhos seus.

HERONDINA SEGUNDO A VISÃO DA UMBANDA
A magnífica guerreira amazonas cabocla Herondina, antes de Herondina sua última encarnação na terra foi na Roma Cristã no início ainda, era filha adotiva e irmã também adotiva das outras duas, líder de ponta dos povos de Caruê na encantaria amazônica [esse povo é pertencente à linha dos felinos, o que quer dizer, obviamente que tem como animal de força, os felinos, muitas vezes se manifesta ou se transformam nesses animais no “astral”, como já foi descrito por muitos videntes], atua sob o comando de mãe Oiá [Iansã], orixá feminino que atua na linha da justiça junto com Xangô e na linha de lei junto com Ogum. Mãe Herondina é muito reconhecida pelos seus trabalhos quebrando demandas, desfazendo baixas magias, desativando “bombinhas” e até mesmo curando seus pacientes ou filhos de cabeças de larvas astrais, oriundas muitas vezes de trabalhos magísticos, perniciosos frutos em geral do desespero, da mágoa, dos recalques, sentimentos mal resolvidos, enfim, da pequenez humana. Além do arquétipo da guerreira é bem menos “faladeira” que as outras irmãs; austera apesar de acolhedora e muito protetora, em especial, com seus filhos de cabeça. Cabocla Herondina lembra muito a carta nº XI do tarot, a força, a qual é representada por uma mulher subjugando elegantemente um leão, assim como geralmente se “manifesta”, acompanhada sempre de sua onça preta ou pintada. Ou seja, simbolizando determinação e autocontrole, o controle dos instintos e o equilíbrio interno; ela pode ser relacionada, ainda, com as cartas nº IX, o Eremita, o solitário caminho sabedoria e a carta nº I, o mago, o iniciado, lembrando assim exu, que é a linha esquerda da Umbanda.

Não obstante dessas três caboclas, a cabocla Herondina é a única que atua como exu nos dias de trabalho dessa linha, guardando, protegendo, abrindo os caminhos e executando a lei, assim como todos os bons guardiões, exus e pombas-giras. Em sua linha virada, Herondina em Ganga canta bravamente:

A HISTÓRIA DE HERONDINA NA ROMA CRISTÃ, CONTADA PELA PRÓPRIA ENTIDADE:
Em tempos da Roma antiga, no período Cristão, Herondina, teve sua penúltima encarnação. Era Romana, de temperamento muito intempestivo, mas dona de um imenso coração. Não gostava de injustiças e sempre defendia os escravos, da fúria dos Senhores, atacando-os ferozmente, era exímia guerreira, lutava melhor que muitos homens, desafiando-os abertamente, por conta disso vivia se metendo em encrencas, que só lhe eram aliviadas, por causa do Pai, um Senador Romano de muito poder em Roma. De família riquíssima e tradicional, mesmo Real, Herondina, que naqueles dias se chamava de outra forma, queria entrar para os exércitos de Roma, acariciava esse desejo desde menina. O Pai, embora orgulhoso e altivo, como cabia a um Senador Romano, sempre lhe fazendo a vontade, dessa vez negou-lhe o "capricho", e cansado dessa inquietação da filha e de suas feituras "transloucadas" pela Roma Antiga, resolveu por bem ou mal obrigá-la a casar. Esse fato provocou uma imensa revolução, a Romana se rebelou, esperneou, de tudo fez, e mil histórias criou, mas não conseguiu nem que seu Pai voltasse atrás ou mesmo o noivo, a quem ameaçou matar sem clemência na Lua de mel. Um dia, ouvindo escondida uma conversa do Pai, com o tal noivo, descobriu que o Pai e o Noivo, tinham o mais profundo desprezo pelos chamados "Cristãos". Ouvindo isso, a moça Romana, deleitou-se com a ideia de se tornar por sua vez uma tal de Cristã também, assim o noivo desistiria do casamento, nem sabia como era, mas resolveu se tornar uma Cristã seja qual fosse o significado disso. Depois de procurar em segredo, através de uma escrava de confiança, descobriu aonde se reuniam os Cristãos. Nas Catacumbas, era principalmente o lugar em que os Cristãos faziam suas reuniões. Continuou frequentando as reuniões, e de certa forma concordava com o que se pregava ali, mas estava muito mais interessada em se desvencilhar do "maldito" que é como definia o noivo. Certa feita, em uma dessas reuniões, a legião Romana passou e prendeu a todos os presentes. Fez-se então uma brutal jornada entre as catacumbas e as prisões, a Romana então esperneou, espraguejou, anunciando-se como filha de um Senador Romano, em suas vestes pobres e disfarçadas, tudo que conseguiu foi o deboche dos insensíveis e cruéis guardas. Aprisionada juntamente com os outros e ferida, pois era atrevida e enfrentava os guardas, esperou juntamente com uma pequena multidão, entra mulheres, idosos e crianças, o inevitável, no dia seguinte seriam devorados pelos famintos Leões, feras que eram criadas somente para esses espetáculos terríficos e perversos. E assim, sob um sol de verão na Roma Antiga, juntamente com os Cristãos primitivos, a Romana, fora jogada às feras, sem que sua família atinasse pela sua falta, pois vivia sempre sumindo em suas incursões pela Cidade de Roma. Olhando aquele espetáculo terrível, daquelas pessoas que aprendera a estimar de longe, em sua farsa de falsa Cristã, sentiu imensa dor pelos que estavam ali, viu o significado do que era Roma, um monstro devorador e cruel. Depois de algum tempo vendo tudo aquilo sem poder fazer nada, ainda com dor dos ferimentos, por ter apanhado, percebeu o olhar de uma das feras sobre si. Sua alma gelou, era agora a sua hora, então pensou rapidamente em Jesus, nas lições que ouvia nas Catacumbas, ajoelhou-se olhando aos céus e disse -" Se és o Cristo Jesus, então ensina-me a domar as feras", fato é que o Leão então aproximou-se e a Romana, olhou em seus olhos, eis que a fera ajoelhou-se em mansuetude, submissa a seus pés, ela não era mais a mesma, havia sido ungida por Jesus, tudo estava claro agora. Olhando em volta os outros serem devorados, sentiu-se injusta e corajosamente ordenou que o Leão a devorasse. No que foi feito sem, que não antes, ela mostra-se ao Pai, que impassível assistia a tudo esse espetáculo monstruoso, ela queria despertar-lhe a alma para a bondade e o amor Divino.

Um Reino, primeiramente vamos entender que o Mistério Herondina, Não é simplesmente uma só Cabocla, pois se trata de uma falange ENORME. Dentro dessas falanges temos uma hierarquia, assim os Graus, pois tudo no mundo Espiritual é Hierarquia vão se distribuindo. Uma Herondina mais e mais é Grande Mestra, é de um arquétipo Guerreira, são como Amazonas, sua encantaria pertence ao REINO DOS KARUÊ, esse Reino é da evolução dos Felinos conforme já visto anteriormente. São aguerridas e muitas vezes o vidente enxergam um felino belíssimo, gigante, depois se transforma na Guerreira, noutras vezes vêm montada em um Leão, Tigre, Pantera, Onça...

Desencarnada, subiu aos Reinos, e "Ajuremou-se", adentrou as Escolas Iniciáticas, sem precisar mais passar pela carne, foi colocada por Jesus Oxalá, para servir nas Lides da Umbanda, onde fundou suas imensas falanges. É irmã "adotiva" das Encantadas Toya Jarina e Mariana.
CANTANDO PARA CABOCLA HERONDINA
Abaixo, pontos para a Cabocla Herondina, para uns, índia guerreira, para outras e em outros Estados, Cabocla Braba. No Pará simplesmente Cabocla Herondina, quebra demanda e feitiços pesados. Muito respeitada e admirada por todos quando chega.

I
Eh ganga, eh ganga eh gannnga,
A onça é negra seu cavalo é alazão(bis)

II
Onça, Tigre é seu cavalo
Surucucu é seu gibão
Cascavel sua peneira
Jibóia seu cinturão.

III
Ela passa a lagoa
lagoa do Jucá(bis)
Quem duvida venha ver
A cabocla Herondina Trabalhar

IV
No mar tem flores
Tem rosário de Nossa Senhora(bis)
Arueira meu São Benedito
Cabocla Herondina chegou nesta hora

V
Oh dina oh dina, Dina Oh(bis)
Baiou no couro, Dina oh
Baiou no vidro, Dina oh
Baiou na mata, Dina oh
Na Encruzilhada, Dina oh

VI
Deu uma ventania oh ganga
Nu alto da serra,
É ela a cabocla Herondina oh ganga...
Que vem vencer a guerra. (bis)

VII
Éh de cocoriô, é de cocoriá
Cabocla Herondina é de umbanda só
Umbanda só, umbanda só,
Cabocla Herondina é umbanda só

VIII
Com facas e punhal na mão
Seu corpo crivado de agulhas
É ela a Cabocla Herondina
Ninguém lhe toca, ninguém lhe bula

XI
Herondina é uma moça mal
Deu três gargalhadas no céu
Deu três, deu três,
Deus três gargalhadas no céu

XII
Ela veio de barra a fora
Ela cruza o mar
Ela cruza as matas
É ela cabocla herondina
Mas pelas matas ela é cabocla braba(2x)

XIII
Ela é cabocla
Rondeira de Roma
Ela vem de longe
Vem beirando o mar
É herondina
Trazendo facas e punhais (2x)

XIV
Para quem bolir
Com suas pedras
As pedras que o sol expirou(2x)
Aonde herondina trabalha
Debaixo da lua e do sol
Ela é herondina
Ela é malvada
Na encruzilhada ela dá gargalhada(2x)

XV
Ela é cabocla
Ela é tapuia
Ela vem das matas
Pra beber na cuia(2x)

XVI
Ela é filha da onça negra
Ela é neta de cabuçu
Quando vem correndo nas matas
Vem comendo carne crua(2x)

XVII
Ela vem da barra
Ela vem da barra
Ela vem da barra
Dos lençóis onde ela mora
Ela é uma cabocla
Ela é mandingueira
É Herondina a mais formosa feiticeira
Ninguém lhe toque
Ooh ninguém lhe bula
É Herondina e tá na ponta da agulha (2x)

XVIII
Aonde ela mora
Tem cravo e girassol
Pra quem não sabe
Seu nome é Herondina
Cravina roxa açucena de seu pai (2x)

XIX
Herondina vem de Roma
Herondina ela é romeira (2x)
Aqui chegou foi Ela
Herondina na trincheira (2x)

As Doutrinas podem ser encontradas também em nossa página abaixo:
http://www.acaluz.com/2010/01/cantando-para-cabocla-herondina.html