quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Ervas de Exu

segue abaixo relação de ervas de Exú e suas variantes e benfeitorias.

Amendoeira: Seus galhos são usados nos locais em que o homem exerce suas atividades lucrativas. Na medicina caseira, seus frutos são comestíveis, porém em grande quantidades causam diarréia de sangue. Das sementes fabrica-se o óleo de amêndoas, muito usado para fazer sabonetes por ter efeitos emolientes, além de amaciar a pele.

Amoreira: Planta que armazena fluidos negativos e os solta ao entardecer; é usada pelos sacerdotes no culto a Eguns. Na medicina caseira, é usada para debelar as inflamações da boca e garganta.

Angelim-amargoso: Muito usado em marcenaria, por tratar-se de madeira de lei. Nos rituais, suas folhas e flores são utilizadas nos abô dos filhos de Nanã, e as cascas são utilizadas em banhos fortes com a finalidade de destruir os fluidos negativos que possam haver, realizando um excelente descarrego nos filhos de Exu. A medicina caseira indica o pó de suas sementes contra vermes. Mas cuidado! Deve ser usada em doses pequenas.

Aroeira: Nos terreiros de Candomblé este vegetal pertence a Exu e tem aplicação nas obrigações de cabeça, nos sacudimentos, nos banhos fortes de descarrego e nas purificações de pedras. É usada como adstringente na medicina caseira, apressa a cura de feridas e úlceras, e resolve casos de inflamações do aparelho genital. Também é de grande eficácia nas lavagens genitais.

Arrebenta Cavalo: No uso ritualístico esta erva é empregada em banhos fortes do pescoço para baixo, em hora aberta. É também usado em magias para atrair simpatia. Não é usada na medicina caseira.

Arruda: Planta aromática usada nos rituais porque Exu a indica contra maus fluidos e olho-grande. Suas folhas miúdas são aplicadas nos ebori, banhos de limpeza ou descarrego, o que é fácil de perceber, pois se o ambiente estiver realmente carregado a arruda morre. Ela é também usada como amuleto para proteger do mau-olhado. Seu uso restringe-se à Umbanda. Em seu uso caseiro é aplicada contra a verminose e reumatismos, além de seu sumo curar feridas.

Avelós – Figueira-do-diabo: Seu uso se restringe a purificação das pedras do orixá antes de serem levadas ao assentamento; é usada socada. A medicina caseira indica esta erva para combater úlceras e resolver tumores.

Azevinho: Muito utilizada na magia branca ou negra, ela é empregada nos pactos com entidades. Não é usada na medicina popular.

Bardana: Aplicada nos banhos fortes, para livrar o sacerdote das ondas negativas e eguns. O povo utiliza sua raiz cozida no tratamento de sarnas, tumores e doenças venéreas.

Beladona: Nas cerimônias litúrgicas só tem emprego nos sacudimentos domiciliares ou de locais onde o homem exerça atividades lucrativas. Trabalhos feitos com os galhos desta planta também provocam grande poder de atração. Pouco usada pelo povo devido ao alto princípio ativo que nela existe. Este princípio dilata a pupila e diminui as secreções sudorais, salivares, pancreáticas e lácteas.

Beldroega: Usada na purificação das pedras de Exu. O povo utiliza suas folhas, socadas, para apressar cicatrizações de feridas.

Brinco-de-princesa: É planta sagrada de Exu. Seu uso se restringe a banhos fortes para proteger os filhos deste orixá. Não possui uso popular.

Cabeça-de-nego: No ritual a rama é empregada nos banhos de limpeza e o bulbo nos banhos fortes de descarrego. Esta batata combate reumatismo, menstruações difíceis, flores brancas e inflamações vaginais e uterinas.

Cajueiro: Suas folhas são utilizadas pelo axogun para o sacrifício ritual de animais quadrúpedes. Em seu uso caseiro, ele combate corrimentos e flores brancas. Põe fim a diabetes. Cozinhar as cascas em um litro e meio de água por cinco minutos e depois fazer gargarejos, põe fim ao mau hálito.

Cana-de-açúcar: Suas folhas secas e bagaços são usadas em defumações para purificar o ambiente antes dos trabalhos ritualísticos, pois essa defumação destrói eguns. Não possui uso na medicina caseira.

Cardo-santo: Essa planta afugenta os males, propicia o aparecimento do perdido e faz cair os vermes do corpo dos animais. Na medicina caseira suas folhas são empregadas em oftalmias crônicas, enquanto as raízes e hastes são empregadas contra inflamações da bexiga.

Catingueira: É muito empregada nos banhos de descarrego. Seu sumo serve para fazer a purificação das pedras. Entretanto, não deve fazer parte do axé de Exu onde se depositam pequenos pedaços dos axé das aves ou bichos de quatro patas. Na medicina caseira ela é indicada para menstruações difíceis.

Cebola-cencém: Essa cebola é de Exu e nos rituais seu bulbo é usado para os sacudimentos domiciliares. É empregada da seguinte maneira : corta-se a cebola em pedaços miúdos e, sob os cânticos de Exu, espalha-se pelos cantos dos cômodos e embaixo dos móveis; a seguir, entoe o canto de Ogum e despache para Exu. Este trabalho auxilia na descoberta de falsidades e objetos perdidos. O povo utiliza suas folhas cozidas como emoliente.

Cunanã: Seu uso restringe-se aos banhos de descarrego e limpeza. Substituiu em parte, os sacrifícios a Exu. A medicina caseira indica os galhos novos desta planta para curar úlceras.

Erva-preá: Empregada nos banhos de limpeza, descarrego, sacudimentos pessoais e domiciliares. O povo usa o chá desta erva como aromatizante e excitante. Banhos quentes deste chá melhoram as dores nas articulações, causadas pelo artritismo.

Facheiro-Preto: Aplicada somente nos banhos fortes de limpeza e descarrego. Na medicina caseira, ela é utilizada nas afecções renais e nas diarréias.

Fedegoso Crista-de-galo: Esta erva é utilizada em banhos fortes, de descarrego, pois é eficaz na destruição de Eguns e causadores de enfermidades e doenças. Seus galhos envolvem os ebó de defesa. Com flores e sementes desta planta é feito um pó, o qual é aplicado sobre as pessoas e em locais; é denominado “o pó que faz bem”. Na medicina caseira atua com excelente regulador feminino. Além de agir com grande eficácia sobre erisipelas e males do fígado. É usada pelo povo, fazendo o chá com toda erva e bebendo a cada duas horas uma xícara.

Fedegoso: Misturada a outras ervas pertencentes a Exu, o fedegoso realiza os sacudimentos domiciliares. É de grande utilidade para limpar o solo onde foram riscados os pontos de Exu e locais de despacho pertencentes ao deus da liberdade.

Figo Benjamim: Erva usada na purificação de pedras ou ferramentas e na preparação do fetiche de Exu. É empregada também em banhos fortes nas pessoas obsediadas. No uso popular, suas folhas são cozidas para tratar feridas rebeldes e debelar o reumatismo.

Figo do Inferno: Somente as folhas pertencentes a este vegetal são de Exu. Na liturgia, ela é o ponto de concentração de Exu. Não possui uso na medicina popular.

Folha da Fortuna: É empregada em todas as obrigações de cabeça, em banhos de limpeza ou descarrego e nos abôs de quaisquer filhos-de-santo. Na medicina caseira é consagrada por sua eficácia, curando cortes, acelerando a cura nas cicatrizações, contusões e escoriações, usando as folhas socadas sobre os ferimentos. O suco desta erva, puro ou misturado ao leite, ameniza as conseqüências de tombos e quedas.

Juá – Juazeiro: É usada para complementar banhos fortes e raramente está incluída nos banhos de limpeza e descarrego. Seus galhos são usados para cobrir o ebó de defesa. A medicina caseira a indica nas doenças do peito, nos ferimentos e contusões, aplicando as cascas, por natureza, amargas.

Jurema Preta: Tanto na Umbanda quanto no Candomblé, a Jurema Preta é usada nos banhos de descarrego e nos ebó de defesa. O povo a indica no combate a úlceras e cancros, usando o chá das cascas.

Jurubeba: Utilizada em banhos preparatórios de filhos recolhidos ao ariaxé. Na medicina caseira, o chá de suas folhas e frutos propiciam um melhor funcionamento do baço e fígado. É poderoso desobstruente e tônico, além de prevenir e debelar hepatites. Banhos de assentos mornos com essa erva propiciam melhores às articulações das pernas.

Lanterna Chinesa: Utilizada em banhos fortes para descarregar os filhos atacados por eguns. Suas flores enfeitam a casa de Exu. Popularmente, é usada como adstringente e a infusão das flores é indicada para inflamação dos olhos.

Laranjeira do Mato: Seu uso se restringe a banhos fortes, de limpeza e descarrego. Na medicina caseira ela atua com grande eficácia sobre as cólicas abdominais e também menstruais.

Mamão Bravo: Planta utilizada nos banhos de limpeza, descarrego e nos banhos fortes. Além de ser muito empregada nos ebó de defesa, sendo substituída de três em três dias, porque o orixá exige que a erva esteja sempre nova. O povo a utiliza para curar feridas.

Maminha de Porca: Somente seus galhos são usados no ritual e em sacudimentos domiciliares. O povo a indica como restaurador orgânico e tonificador do organismo. Sua casca cozida tem grande eficácia sobre as mordeduras de cobra.

Mamona: Suas folhas servem como recipiente para arriar o ebó de Exu. Suas sementes socadas vão servir para purificar o otá de Exu. Não tem uso na medicina popular.

Mangue Cebola: No ritual, a cebola é usada nos sacudimentos domiciliares. Corte a cebola em pedaços miúdos e, entoando em voz alta o canto de Exu, a espalhe pela casa, nos cantos e sob os móveis. Na medicina caseira, a cebola do mangue esmagada cura feridas rebeldes.

Mangueira: É aplicada nos banhos fortes e nas obrigações de ori, misturada com aroeira, pinhão-roxo, cajueiro e vassourinha-de-relógio, do pescoço para baixo. Ao terminar, vista uma roupa limpa. As folhas servem para cobrir o terreiro em dias de abaçá. Na medicina caseira é indicada para debelar diarréias rebeldes e asma. O cozimento das folhas, em lavagens vaginais, põe fim ao corrimento.

Manjerioba: Utilizada nos banhos fortes, nos descarregos, nas limpezas pessoais e domiciliares e nos sacudimentos pessoais, sempre do pescoço para baixo. O povo a indica como regulador menstrual, beneficiando os órgãos genitais. Utiliza-se o chá em cozimento.

Maria Mole: Aplicada nos banhos de limpeza e descarrego, muito procurada para sacudimentos domiciliares. O povo a indica em cozimento nas dispepsias e como excelente adstringente.

Mata Cabras: Muito utilizado para afugentar eguns e destruir larvas astrais. As pessoas que a usam não devem tocá-la sem cobrir as mãos com pano ou papel, para depois despachá-la na encruzilhada. O povo indica o cozimento de suas folhas e caules para tirar dores dos pés e pernas, com banho morno.

Mata Pasto: Seus galhos são muito utilizados nos banhos de limpeza, descarrego, nos sacudimentos pessoais e domiciliares. O povo a indica contra febres malignas e incômodos digestivos.

Mussambê de Cinco Folhas: Obs.: Sejam eles de sete, cinco, ou três folhas, todos possuem o mesmo efeito, tanto nos trabalhos rituais, quanto na medicina caseira. Esta erva é utilizada por seus efeitos positivos e por serem bem aceitas por Exu no ritual de boas vindas. Na medicina caseira é excelente para curar feridas.

Ora-pro-nobis: É erva integrante do banho forte. Usada nos banhos de descarrego e limpeza. É destruidora de eguns e larvas negativas, além de entrar nos assentamentos dos mensageiros Exus. No uso caseiro, suas folhas atuam como emolientes.

Palmeira Africana: Suas folhas são aplicadas nos banhos de descarrego ou de limpeza. Não possui uso na medicina caseira.

Pau D’alho: Os galhos dessa erva são utilizados nos sacudimentos domiciliares e em banhos fortes, feitos nas encruzilhadas, misturadas com aroeira, pinhão branco ou roxo. Na encruzilhada em que tomar o banho, arrie um mi-ami-ami, oferecido a Exu, de preferência em uma encruzilhada tranqüila. Na medicina caseira ela é usada para exterminar abscessos e tumores. Usa-se socando bem as folhas e colocando-as sobre os tumores. O cozimento de suas folhas, em banhos quentes e demorados, é excelente para o reumatismo e hemorróidas.

Picão da Praia: Não possui uso ritualístico. A medicina caseira o indica como diurético e de grande eficácia nos males da bexiga. Para isso utilize-o sob a forma de chá.

Pimenta Darda: “Aplicada em banhos fortes e nos assentamentos de Exu. Na medicina caseira, suas sementes em infusão são anti-helmínticas, destruindo até ameba.

Pinhão Branco: Aplicada em banhos fortes misturadas com aroeira. Esta planta possui o grande valor de quebrar encantos e em algumas ocasiões substitui o sacrifício de Exu. Suas sementes são usadas pelo povo como purgativo. O leite encontrado por dentro dos galhos é de grande eficácia colocado sobre a erisipela. Porém, deve-se Ter cuidado, pois esse leite contém uma terrível nódoa que inutiliza as roupas.

Pinhão Coral: Erva integrante nos banhos fortes e usadas nos de limpeza e descarrego e nos ebó de defesa. Na medicina caseira o pinhão coral trata feridas rebeldes e úlceras malignas.

Pinhão Roxo: No ritual tem as mesmas aplicações descritas para o pinhão branco. É poderoso nos banhos de limpeza e descarrego, e também nos sacudimentos domiciliares, usando-se os galhos. Não possui uso na medicina popular.

Pixirica – Tapixirica: No ritual faz parte do axé de Exu e Egun. Dela se faz um excelente pó de mudança que propicia a solução de problemas. O pó feito de suas folhas é usado na magia maléfica. Na medicina caseira ela é indicada para as palpitações do coração, para a melhoria do aparelho genital feminino e nas doenças das vias urinárias.

Quixambeira: É aplicada em banhos de descarrego e limpeza para a destruição de eguns e ao pé desta planta são arriadas obrigações a Exu e a Egun. Na medicina caseira, com suas cascas em cozimento, atua como energético adstringente. Lavando as feridas, ela apressa a cicatrização.

Tajujá – Tayuya: É usada em banhos fortes, de limpeza ou descarrego. A rama do tajujá é utilizada para circundar o ebó de defesa. O povo a indica como forte purgativo.

Tamiaranga: É destinada aos banhos fortes, banhos de descarrego e limpeza. É usada nos ebó de defesa. O povo a indica para tratar úlceras e feridas malignas.

Tintureira: Utilizada nos banhos fortes, de limpeza ou descarrego. Bem próximo ao seu tronco são arriadas as obrigações destinadas a Exu. O povo utiliza o cozimento de suas folhas como um energético desinflamatório.

Tiririca: Esta plantinha de escasso crescimento apresenta umas pequeninas batatas aromáticas. Estas são levadas ao fogo e, em seguida, reduzida a pó, o qual funciona como pó de mudança no ritual. Serve para desocupar casas e, colocadas embaixo da língua, desodoriza o hálito e afasta eguns.

Urtiga Branca: É empregada nos banhos fortes, nos de descarrego e limpeza e nos ebó de defesa. Faz parte nos assentamentos. O povo a indica contra as hemorragias pulmonares e brônquicas.

Urtiga Vermelha: Participa em quase todas as preparações do ritual, pois entra nos banhos fortes, de descarrego e limpeza. É axé dos assentamentos de Exu e utilizada nos ebó de defesa. Esta planta socada e reduzida a pó, produz um pó benfazejo. O povo indica o cozimento das raízes e folhas em chá como diurético.

Vassourinha de Botão: Muito empregada nos sacudimentos pessoais e domiciliares. Não possui uso na medicina popular.

Vassourinha de Relógio: Ela somente participa nos sacudimentos domiciliares. Não possui uso na medicina caseira.

Xiquexique: Participa nos banhos fortes, de limpeza ou descarrego. São axé nos assentamentos de Exu e circundam os ebó de defesa. O povo indica esta erva para os males dos rins.

Obs. Amado Irmão, lembre-se que seu Pai ou Mãe no Santo, que devem confirmar estas ervas, com as ervas não devemos brincar, nem mesmo fazer uso das mesmas, sem termos conhecimento.

Por. Adriano Figueiredo Leite - Presidente da ACALUZ

sábado, 23 de janeiro de 2010

Cantando para Tranca Ruas


Segue abaixo doutrinas de Tranca Ruas, em nossas pesquisas vêmos que na maioria das casas de Umbanda as cantigas são cantadas para todos as falanges de Exus, ou seja, todos cantam as mesmas doutrinas direcionando-as à vários outros exus. Comentem e mandem mais cantigas.

I
O Sino da Igrejinha faz blem blem bem bom (bis)
Exu das Almas ele é capitão
Deu meia noite o galo já cantou
Seu Tranca Ruas que é dono da Gira
Vem correr gira que Ogun mandou

II
Tava dormindo na beira do mar(bis)
Quando as almas lhe chamaram, para trabalhar,
Acorda Tranca Ruas, vem guerrear(bis)
O inimigo está invadindo a porteira do curral(bis)
Põe a mão nas suas armas, vai guerrear(bis)
Bota o inimigo pra fora para nunca mais voltar(bis)

III
Seu Tranca Ruas, que nasceu na rua
Se criou na rua e na rua morreu(bis)
Seu Tranca Rua, seu Tranca Rua
Seu Tranca Rua ele é dono da Rua

IV
Exu que tem duas cabeças,
Ele faz sua gira com fé(bis)
Uma é Satanaz do Inferno
A outra é de Exu Lucifer

V
Na quela encruzilhada tem um Rei
E este Rei se chama Tranca Rua(bis)
Na outra tem o outro Rei
É Marabô e a Rainha Pombogira(bis)

VI
Deu um clarão na encruzilhada
E do Clarão surgiu uma gargalhada(bis)
Não era o Sol
Nem era a Lua
O que brilhava era o mestre Tranca Ruas(bis).

VII
Arreda Arreda aqui chegou mulher(bis)
É ela pombogira a mulher de Lucifer
Tranca Rua vem na frente pra mostrar como ela é.

Por. Adriano Figueiredo Leite - Presidente da ACALUZ 

Oração de Tranca Rua das Almas


Faço saber a quem busca mais informação a cerca de nosso querido Tranca Rua das Almas, que postamos abaixo uma horação muito forte e bastante afetuosa para fazermos em nossas obrigações, quando acendemos velas é sempre bom sabermos as palavras certas para pedir e agradecer. Faça seu comentário.

"Faço reverência a vós mistério sagrado da criação, vós que sois a manifestação do divino, peço que possa se manifestar entre nós, conforme nosso merecimento. No seu poder, na sua força, e na sua magnitude, pelo caminho tripolar que emana de vós, pelo caminho que só vós conheceis, pela força que só a vós pertenceis, e pelo poder de trancar a vós concedido, eu peço:
* Que as trevas que habitam em mim sejam trancadas.
* Que o ódio e o sentimento impuro, que emanam da minha alma, sejam trancados.
* Que a falsidade que exala dos meus poros seja trancada.
* Que o rancor e a miséria que habitam o meu coração sejam trancados.
* Que a dissimulação e a superficialidade, que nasce da minha língua, sejam trancados.
* Que o egoísmo e a maldade, que transcendem da minha mente, sejam trancados.
* Que a palavra torta que sai da minha boca e o pensamento roto que sai da minha cabeça contra o próximo, sejam trancados.
* Que a capacidade que os meus olhos têm de amaldiçoar e destruir sejam trancados.
* E assim, fonte primária da criação, assim que trancar a tudo isso no seu âmago, pois é na vossa essência que tudo isso se desvitaliza, peço a vós que:
* Destranque todas as portas do meu caminho.
* Destranque todas as passagens da minha jornada.
* Destranque toda prosperidade material e espiritual.
* Destranque o meu coração das amarguras.
* Destranque o meu sustento de cada dia.
* Destranque os meus corpos espirituais e o meu corpo material da agonia, do desespero e da aflição que me assolam na calada da noite.
* Destranque o meu emprego, o meu negócio e a minha morada material.
* Destranque o martírio familiar pelo qual eu tenho passado.
* Destranque os meus olhos para as maravilhas do mundo espiritual.
* Destranque a minha liberdade!

- Pois vós, Força Sagrada do Divino Criador, é o portador supremo da Vitalidade!

- Salve o Mistério Tranca-Ruas!!!

Por. Adriano Figueiredo Leite - Presidente da ACALUZ

domingo, 17 de janeiro de 2010

Tranca Rua de Embaré

Exu Tranca Rua o Senhor de Embaré

Suas Preferências: Sr. Exú Embaré, Senhor do mundo espiritual onde está sua origem e sua morada, no Reino de Safira ( Este reino é espiritual ). E neste caso temos duas histórias que comprovam a existência desta divindade de N'ganga no mundo espiritual e outra popular.

A primeira é da vinda desta entidade como mago, feiticeiro e bruxo ao mundo dos mortais para ser útil a quem da magia tem necessidade para alcançar seus objetivos. Este mestre mago feiticeiro, Rei do mundo espiritual vem ao mundo físico e se apresenta como Vulgo ( Apelido ) Exú Tranca Ruas da Almas.

Ele tem o poder de fechar e abrir os caminhos para o ser humano e também de ter as almas perdidas sem luz como escravos para prestar-lhe reverencias e fazer o que ele ordenar. Este é um dos motivos pelo qual ele foi enviado aqui no plano físico, para pegar as almas perdidas, formar seu Exército para lhe servir e também formar uma hierarquia para que todos as almas perdidas fossem transformadas em seu exército, e desta forma encontrem o caminho novamente para a luz através dele mesmo, podendo assim vigiar, receber as oferendas que são depositadas nas ruas de qualquer cidade aonde Exú Tranca Rua tem o poder absoluto ( o Reino das Ruas ).

Essa entidade protege a entrada das casas de culto na esquerda da Umbanda e no culto Kibundo ( Kimbanda ), nada se movimenta ou sai de uma casa para as ruas, nada chega ao seu destino de origem como nas matas e outros locais fora da cidade sem que antes sejam realizadas oferendas á Exú Tranca Rua.

Exu tranca Ruas é respeitado no mundo dos homens poderosos porque foi através do poder de Seu Embaré que elas conseguiram suas fortunas, seus impérios e assim viverem como Reis.

Este n'ganga é cultuado é tem réplica de seu Pepelê N'ganga em algumas empresas por isso elas só crescem, geram grandes lucros e contribuem para o equilíbrio do mundo porque esta entidade tem influência sobre o dinamismo do ser humano, quando cultuada por eles.

Obs.: Esta entidade é a que mais possui conhecimento para indicar amuletos na cabaça e outros apetrechos para ser colocado como segurança na entrada dos estabelecimentos comerciais e nas residências, que servem contra inveja, feitiços, pragas, demandas, etc...

Exú Tranca Ruas tem o poder de realizar magia para o amor com resultados imediatos e quem nele se acredita para fazer a sua amarração e nunca mais sofrer por amor.

Tranca Ruas das Almas, só ele pode abrir uma fenda entre o mundo físico e o espiritual trazer ou levar os espíritos que estiver sob seu comando de volta, só ele pode prende - los para executar as tarefas que ele tiver necessidade para beneficiar o ser humano.

Exú Tranca Rua ( o Rei de Embaré) também é generoso, depois que as entidades a seu serviço realizam as suas tarefas com êxito ele as recompensa cedendo parte do seu poder e luz para a evolução das mesmas. Por isso esta entidade é tão poderosa e respeitada e todos Sacerdotes adeptos aos cultos afro-brasileiros cultuam Exu Tranca Ruas das Almas na frente de suas casas ( pequenas tronqueiras ) com muito respeito, por que além dele proteger a porta e a rua ele também prende as almas perdidas que tentam entrar nos lugares onde ele é cultuado.

Esta é uma história verídica que confere a Exu Tranca Ruas aqui no mundo físico, mas temos a história de sua origem no mundo espiritual como N'ganga Sr. do Reino de Safira o Rei de Embaré, que deu origem a essa entidade de N'ganga e nos dias atuais trabalha nas casas de culto Kibundo onde realiza suas magias junto ao Pepelê N'ganga, seus médiuns (sacerdotes kibundo) que recebem esta entidade dentro desta linha kibundo é por que já passaram pelo Kamarim Kibundo além de ter feito os preceitos dos sete reinos de N'ganga como exige a própria entidade Tranca Rua de Embaré ( vulgo Tranca Rua das Almas ).

Essa entidade na linha das almas no reino das ruas aceita todos os tipos de oferendas que são realizadas nas encruzilhadas, estradas, cemitérios, etc... Como Rei Majestade ( Tranca Rua de Embaré ) recebe suas obrigações e oferendas em locais específicos de acordo com suas orientações ou através do oráculo N'gombo ( Oráculo dos Ossos ) sob o qual Seu Tranca Rua de Embaré também conhecedor.

Tem como seu curiador bebidas finas de malte envelhecido, adoração pelo luxo, pedras preciosas, pratarias, porcelanas, e antiguidades valiosas. Recebe padê como todas as entidades de n'ganga e alimentos de carnes preparados dentro do templo pela pessoa específica do cargo e encarregada de faze-lo.

Seu vestuário é cartola sofisticada de época, sua capa varia nas cores azul turquesa, roxo e negro tendo contrastes em vermelho decorada de safira de preferência amarelo dourada que simboliza sua riqueza e a presença de seu reino.

Geralmente solicita para seu conforto tronos entalhados em madeira e marfim é extremamente educado e fino, poderoso e sinistro é uma entidade muito melindrosa nunca solicite os seus serviços sem de fato ter certeza do que deseja porque os seus trabalhos são alta magia e muito eficazes.

sábado, 16 de janeiro de 2010

O chefe de Terreiro também envelhece


Os verdadeiros Chefes de Terreiros, que recebem a outorga para abrirem e manterem nossos queridos templos de Umbanda normalmente tem uma das missões mais árduas dentro da religião. Embora sempre visados e invejados, muitas vezes até difamados de forma grosseira e covarde, tem que estar à disposição de todos do terreiro seja da assistência, seja dos membros com suas dúvidas, necessidades, temores e anseio de informações.

Por ter estas tarefas e muitas outras que conhecemos e outras que nem podemos imaginar é que esta edificante pessoal, o Chefe do Terreiro, presta inestimáveis serviços a Umbanda, as pessoas e a espiritualidade.
Contudo, assim como qualquer ser encarnado no nosso planeta este passa dos seus áureos momentos de vigor físico para a frágil condição que a velhice nos acorrenta e em algum momento de sua vida terá que se dedicar mais a observar os trabalhos conduzidos por outros isso quando as enfermidades várias não tomarem grande parte do seu tempo e remédios intermináveis lhe farão parte do cotidiano.
Até então nada de mais, todos nós passamos por isso. O grande problema oculto em muitos rincões desta nossa Umbanda é que para ser no mínimo um bom Chefe de Terreiro tem-se que doar muito do seu tempo e vigor, porém no momento que ele mais necessita a maioria das pessoas com quem já interagiu simplesmente o abandona a sua própria sorte.
Nós, médiuns fazemos o trajeto casa terreiro algumas vezes por semana (quanto não apenas uma) e continuamos nossa pacata vida de trabalhadores, com décimos-terceiros, previdência publica ou privada, férias e esquecemos que em muitos casos nossos Chefes de Terreiros não tem condições financeiras abundantes quanto não muito trabalham quase que exclusivamente para o terreiro.
Porque quando entramos em assuntos sobre o vil metal os ânimos se modificam, os sovinas se articulam, os sem consciência se espantam e os conscientes se omitem? Sim um Chefe de Terreiro necessita também ter uma vida digna e moderada em se tratando de finanças para que possa ter tranqüilidade como muitos de nós temos para desenvolver suas atividades espirituais e físicas.
O primeiro passo é o corpo mediúnico verificar a quantidade de horas que o Chefe do Terreiro está se dedicando aos propósitos do terreiro e se for um tempo que seja considerado grande (tirando a liturgia, para mim 28h semanais, chegando a ser a única atividade) este deve ser mantido pela casa (seus médiuns) de forma profissional, principalmente no que se diz respeito a um plano de saúde realmente amplo e eficaz e uma aposentadoria privada que lhe assegure a dignidade quando envelhecer.
Só assim, todas as gerações que acompanharam o terreiro poderão de alguma forma contribuir com aquele que sempre esteve lá à disposição em corpo e alma, doando vibração, oração, amor e fé, mas que como todos nós em algum momento da sua vida não terá forças para fazê-lo. Não porque não deseja mais, mas por imposição das leis de Deus.

Pesquisa por Adriano Figueiredo Leite

Onde está o Poder?


A frase ecoa por todos os terreiros, ultrapassa as giras, está em quase todos os livros, é motivo de aceitação coletiva e todos já um dia a pronunciaram: “O primeiro passo para a queda de um médium é a vaidade.”

Muito já se falou e se fala sobre o assunto, porém ainda repetidamente em todos os cantos dessa terra, sacerdotes curvam-se as intenções humanas (quando não outras) e acham que possuem algo especial que outros não têm e em alguns casos chegam a se sentir verdadeiras divindades. Este processo se dá em todas as fases do aprendizado espiritual sem distinção de idade ou sexo, mas nos Pais de Santo existe uma lente de aumento, porque são a minoria e ao mesmo tempo o espelho do terreiro.
Existem pessoas que realmente são impares, seu entendimento espiritual tem dimensões que é desconhecido da grande parcela de reencarnados neste planeta, mas é apenas isso. Entendimento espiritual não é poder, na verdade é responsabilidade porque tudo e qualquer poder emana apenas de Deus.
O entendimento espiritual está diretamente proporcional a capacidade da criatura humana se situar dentro da criação, conhecer a lei de Deus e viver sobre esta. Observe grandes espíritos que aqui estiveram e nada possuíram, eles nunca se auto intitularão nada, mas foram colocados em situação de destaque por sua comunidade, seu povo ou pela humanidade e ainda assim seguiram-se simples na meta de cultivar raízes com o criador.

Tomemos como exemplo alguns pilares de algumas religiões para que possamos nos referenciar:

1. Jesus: Próprio Deus encarnado foi um carpinteiro.

2. Siddhartha: Um príncipe que fez votos de pobreza e alcançou o estado de Buda.

3. Gandhi: Advogado que largou tudo em pró de uma revolução pacífica na Índia.

4. Chico Xavier: Um dos pilares do espiritismo, humilde servidor publico aposentado.

Interessante vermos que em tão grandes personalidades espirituais foram pessoas simples, o que nos remete ao pensamento que a capacidade espiritual é totalmente distinta de capacidade intelectual e financeira como priorizamos no presente momento.

E na Umbanda? A maioria dos grandes autores e dos pensadores em destaque se remete a justamente o oposto: Se auto intitulam Grandes Magos, falam a todos como tem outorga no plano espiritual, que em outras reencarnações foram sempre algo de destaque em castas sensacionais como se isso fosse pré requisito para reconhecimento de serem pessoas capazes de dizer algo mais sobre a espiritualidade e trazer com sigo o brasão de Deus.

Já observou um mendigo na rua? Boa parte dos Umbandistas explica que este está sofrendo por vidas passadas porque anteriormente fez isso e aquilo. Mas se pensarmos em outra direção? E se esse não for o ultimo patamar de ascensão espiritual daquela pessoa, que após o desencarne militará com um Caboclo ou um Preto-Velho e que está neste momento se curvando à abdicação de tudo, a humildade de ter uma vida que não corresponde a sua capacidade espiritual, mas mesmo assim é uma pessoa sensata, feliz e de bem com a humanidade e com Deus. Se você tivesse a certeza de que isso é verdade, como trataria esse mendigo?

Porque uma pessoa de destaque na Umbanda não pode ter sido em outras encarnações um sapateiro, um ajudante de cozinha? Isso é desmerecer a capacidade espiritual? Alias, o que a pessoa foi em outras encarnações é realmente necessário saber? Isso atende a que propósito nos dias de hoje?

O verdadeiro poder vem da compreensão do outro, da fé, do amor pleno e da capacidade de sentir Deus, se um Umbandista não estiver traçando este caminho ele não está no caminho da Umbanda, pois nenhum de nós tem poder. O que temos é a permissão de Deus de usar seu poder em pró dos que necessitam dele.

Pesquisa do Adriano Figueiredo

Cantando para Cabocla Herondina

Abaixo, pontos para a Cabocla Herondina, para uns, india guerreira, para outras e em outros Estados, Cabocla Braba, no Pará, Cabocla Herondina, quebra demanda e feitiços pesados. Muito respeitada e admirada por todos quando chega.

I
Eh ganga, eh ganga eh gannnga,
A onça é negra seu cavalo é alazão(bis)

II
Onça, Tigre é seu cavalo
Surucucu é seu gibão
Cascavel sua peneira
Jibóia seu cinturão.

III
Ela passa a lagoa
lagoa do Jucá(bis)
Quem duvida venha ver
A cabocla Herondina Trabalhar

IV
No mar tem flores
Tem rosário de Nossa Senhora(bis)
Arueira meu São Benedito
Cabocla Herondina chegou nesta hora

V
Oh dina oh dina, Dina Oh(bis)
Baiou no couro, Dina oh
Baiou no vidro, Dina oh
Baiou na mata, Dina oh
Na Encruzilhada, Dina oh

VI
Deu uma ventania oh ganga
Nu alto da serra,
É ela a cabocla Herondina oh ganga...
Que vem vencer a guerra.(bis)

VII
Éh de cocoriô, é de cocoriá
Cabocla Herondina é de umbanda só
Umbanda só, umbanda só,
Cabocla Herondina é umbanda só

VIII
Com facas e punhal na mão
Seu corpo crivado de agulhas
É ela a Cabocla Herondina
Ninguém lhe toca, ninguém lhe bula

XI
Herondina é uma moça mal
Deu três gagalhadas no céu
Deu três, deu três,
deus três gargalhadas no céu

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Caboclo Zé Malandro

Segue abaixo cantos para o Caboclo Zé Malandro, para quem ainda não leu sua história é só dá uma passadinha em nosso linck de Fundamentos que ela está lá, vale lembrar que lá tem um comentário que solicitou cantigas do malandro, respondendo, aqui está, fique a vontade. Que a malandragem esteja na vida de todos, saúde e axé e muita luz.

I
Pendurado na boca
Seu charutão
Chapéu de Palha
Seu pé chão(bis)
Quem nunca viu Zé Malandro venha ver
Olha, é ele pistoleiro do Sertão
Quem nunca viu Zé Malandro venha ver,
É ele cangaceiro do sertão.

II
Tava sentado na praça
Quando a policia chegou(bis)
Ele tem um sentimento profundo
Foi fichado na policia como vagabundo(bis)

III
Malandro que é malandro não tem hora pra chegar
Faz da rua sua prece da calçada seu altar

IV
Foi ele quem cortou o pau
Foi ele quem fez a jangada
Foi ele quem matou a moça
E jogou seu corpo na encruzilhada
Embarca morena embarca
Embarca neste vapôr
Se não for na barca nova
Na velha que ele não vai

V
Malandro foi gente fina,
Malandro foi gente boa,
Olha hoje manlandro vive,
Fumando e bebendo a toa.

VI
Malandro não quer trabalhar,
Malandro é só diversão,
Malandro não tem coração,
Alegria de malandro é o seu violão.

VII
Ele é malandro sim,
Ele foi pistoleiro na Bahia
Zé Malandro nunca perdeu a fé
Foi morto e fuzilado
Na porta do cabaré.

VIII
Eaê panhá marimbo(bis)
Todo mundo trabalhando
Malandro tá passeando

IX
Jogou Limão pro alto
Apanhou no canivete(bis)
Na rodada de malandro
Cagueta não se mete

X
Estava preso no xadrez
Quando correu a noticia
Que sua centença é de um ano e seis mês
Eu chorei e lastimei
Pela mulher que tanto amei
Vivia bebendo com outro no bar
Mas levava muamba
Pra Zé Malandro fumar.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Caboclo Borboleta

I
Sou Borboleta mamãe
Quero voar(bis)
Eu sou filho do chefe da Mata Real(bis)

II
Borboleta miudinha
Onde tu vai eu também vou(bis)
Onde tu vai borboleta?
Vou pra eira(terr) de Nagô

III
Vermelho é cor do sangue de meu pai
E verde é a cor da mata(bis)
Oh saravá todos caboclos da Jurema
Oh saravá a aldeia onde ele mora(bis)

IV
Caboclo da Bandeira da Barra do Ararí
Caboclo da Bandeira pedra de Itaculumim

V
Se seu pai é o rei da bandeira
Ele é um caboclo bandeirante
Bandeira, Bandeira, Bandeira
Salve a bandeira e o caboclo bandeirante

VI
Bandeira, bandeira,
Bandeira pra caboclo bandeieira

VII
Caboclo Borboleta, Caboclo Borboleta
Caboclo Borboleta passiador do Jurema

VIII
Passei pela Jurema(bis),
Eu vim pela Jurema(bis),
Sou caboclo Borboleta(bis)
Passeador lá da Jurema